unnamedpaz

Transitória por natureza, a guerra parece durar para sempre. Ao serviço da morte, zomba dos vivos. Permite que os homens façam aquilo que, em tempos normais, não teriam o direito de fazer: realizar-se através da crueldade. Satisfação coletiva e individual de impulsos inconscientes, a guerra é uma parte demasiado importante da história para ser eliminada de vez.

A vida no nosso planeta seria muito mais fácil se homens e nações pudessem simplesmente viver em paz. Mas, ao que parece, não podem. Será porque não estão habituados a isso? Ou porque precisam de simplificações? Na verdade, a guerra simplifica tudo; as opções tornam-se limitadas. A fronteira que separa o bem e o mal amplia-se: de um dos lados, tudo parece justo; do outro lado, tudo é injusto. Não há necessidade de se pensar muito — ninguém se preocupa com subtilezas em tempos de guerra; a única coisa que importa é a guerra. O próprio tempo lhe está subordinado.

Se ao menos pudéssemos celebrar a paz como os nossos antepassados celebraram a guerra... Se pudéssemos glorificar a paz como aqueles que vieram antes de nós, sedentos de aventura, glorificaram a guerra... Se os nossos sábios e estudiosos pudessem edificar a paz com a mesma energia e inspiração com que outros desencadearam as guerras...

Porque é a guerra uma opção tão fácil? Por que motivo a paz continua a ser uma meta inatingível? Conhecemos estadistas profundamente versados em estratégia militar, mas onde estão aqueles que se interessam o bastante pela humanidade para encontrarem formas de evitar os conflitos armados? Toda a nação tem as suas prestigiadas academias militares. Porque não existem academias, universidades, institutos, que ensinem não só as virtudes da paz, mas também a arte de a alcançar? De a alcançar e preservar por outros meios que não as armas, as ferramentas da guerra. E porque ficamos surpreendidos sempre que a guerra recua e dá lugar à paz?

Infelizmente, somos forçados a reconhecer que a guerra parece inerente à condição humana. Em tempos de conflito, tentam fazer-nos acreditar que todo aquele que não é nosso irmão é nosso inimigo: ficamos proibidos de ouvir o íntimo dos nossos corações, de sermos compassivos, ou até de nos deixarmos levar pela nossa imaginação. Se o soldado imaginasse o sofrimento que está prestes a causar, estaria menos disposto a combater. Se considerasse o inimigo uma vítima em potencial — e, portanto, capaz de chorar, de se desesperar, de morrer — a relação entre eles mudaria. Mas tudo está preparado para sufocar o impulso de humanidade e a capacidade de experimentar um sentimento fraterno em relação ao próximo.

Ainda assim, não devemos esquecer. Não há justificação para esquecer. Se tivéssemos de esquecer o passado para obter a paz, não gostaria de ter nada a ver com essa paz. Esta não poderia ser senão uma mentira. Só poderia induzir em nós uma passividade perigosa.

O que nos diz a nossa memória? Mostra-nos hoje como se tornaram absurdas as conquistas territoriais. O território, a obsessão estratégica dos militares da velha guarda, tornou-se, nos tempos atuais, apenas um sonho. As palavras "dominação" e "supremacia" abandonaram o vocabulário das cúpulas e agora são ouvidas no mundo das finanças. O imperialismo, político ou ideológico, está ultrapassado. Nada resta dos impérios de Napoleão ou dos czares. O que ficou da ambição totalitária de Estaline? Quanto ao Terceiro Reich, que duraria mil anos, hoje o seu nome, em vez de admiração e inveja, desperta apenas horror e vergonha.

A memória é uma fonte de angústia, mas pode tornar-se uma fonte de esperança. E também nos lembra que, doravante, a guerra será sem glória e sem futuro; não deixará conquistadores, mas apenas vítimas.

J. Robert Oppenheimer expressou isso apropriadamente no seu testemunho perante um comité do Congresso em Washington. Questionado sobre o que deveríamos fazer para evitar uma guerra nuclear, ele respondeu de forma concisa: "Façam a paz".

Elie Wiesel, (Excertos)

Visualizações: 31

Os comentários estão fechados para esta entrada de blog

Comentário de Margarida Maria Madruga em 13 abril 2022 às 22:30

Excelente texto. Sábio, porém quase que totalmente inútil para os ignorantes de plantão.Obrigada.

Comentário de Conceição Valadares em 9 abril 2022 às 10:06

Adorei Adul a sua partilha, como é que poderemos acabar com a guerra se os nossos corações estão sempre em guerra, todos temos muito que aprender meu amigo.

Fale com os membros

Ola deixe apenas uma mensagem por dia pois por limitações só são guardadas as ultimas 100 mensagens.

Membros da Rede

Menu de Funcionalidades

Membros
Fotos/Videos/Blog
Entretenimento/Ajuda

Novidades

Nota importante: Para ver as mensagens, os amigos e aceder as configurações use o menu da barra de topo.
Pagina Principal Página Principal

 Abrir o perfil

 Ver os recados.

 Abrir caixa de mensagens

 Ver pedidos de amizade recebidos

Lista de Membros Ver lista de Membros

 Configurações

Use o Menu lateral para:
Escrever mensagens aos amigos, adicionar entrada de blog, usar o gerar cartões, enviar presentes e flores.

Adicionados novos car-tões para  o Dia de finados, halloween, Boa noite e qualquer ocasião
nos cards Martinha.
Visitem e compartilhem

© 2022   Criado por Adul Rodri (Adm)   Produzido Por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Registe-se Juntos fazemos a diferença!