unnamed

As chuvas haviam terminado e as flores cresciam até debaixo das pedras, quando a tribo dela chegou. Outras tribos já estavam acampadas havia dias, com seus cavalos, suas carroças, suas tendas e seus filhos. Muitas ainda viriam para o encontro.
E este ano ela não era mais menina. Havia-se feito mulher. Agora trazia um crisântemo pintado na palma da mão direita. E no coração, o desejo de encontrar o homem a quem ofertá‑lo.
— É no mercado que eles estão — sussurraram-lhe as outras moças, na primeira manhã. — E como são bonitos!
Bonitos eram, os homens jovens caminhando entre os animais e as barracas de peles, examinando ora uma arma ora uma joia, com suas mãos enfeitadas de anéis. Esbeltos como árvores novas. E exibindo, nos ombros, a arrogância.
As moças não caminhavam entre as barracas. Mantinham-se juntas num canto, entre murmúrios e pequenos risos. Sua escolha era outra. E a faziam de olhos baixos.
Vários daqueles jovens olharam para ela no primeiro dia. Ela não olhou para nenhum.
À tarde, aquele que usava um brinco de prata prendeu às costas uma pele de lobo e longamente, diante dos anciãos, dançou a dança da caça. Depois foi pedi-la ao pai.
— É bom caçador — murmuraram os velhos —, comida em sua casa não há de faltar.
Mas no coração dela amor faltou. E, sem nada dizer, sacudiu a cabeça em recusa. Na palma da mão, como se murchasse, uma pétala do crisântemo desbotou até desaparecer.
Dia seguinte, aquele que prendia o cabelo na nuca sentou-se sobre o tapete do pai da moça. E na bandeja de areia desenhou os limites da terra em que a receberia, e aos seus que quisessem acompanhá-la.
— É homem rico — todos nas tribos disseram —, qualquer moça há de querê-lo.
O coração dela não quis. Do crisântemo, mais uma pétala se foi.
Houve depois, ao correr dos dias, um que atirou sua lança para o alto, tão alto que desapareceu sem voltar a cair. Outro que trouxe inscrito num interminável rolo de pele o registro dos animais do seu rebanho. Um terceiro que com seu cavalo saltou por cima do rio em seu ponto mais largo.
Todos os três foram louvados pelos velhos e pela gente das tribos. A moça não louvou nenhum. Três vezes o pai ergueu os olhos para ela esperando resposta. Mas a resposta não veio. E o crisântemo perdeu mais três pétalas.
Gastava-se aos poucos o tempo do encontro. A cada amanhecer, ela olhava sua mão, e estremecia vendo o despetalar-se da flor. Teria que esperar o próximo ano, se não encontrasse o que tinha vindo procurar. E o tempo passa lento quando a alma está carregada de desejos.
Um chefe de tribo a quis, para acrescentá-la a suas duas esposas. Ela sequer ouviu o pai, e inutilmente fechou a mão para que pétala alguma se fosse.
Um viúvo pai de belos filhos a pediu. Ela teria querido as crianças, mas não o pai. E para cada um desapareceu uma pétala.
As outras moças invejavam-lhe a sorte. Ela se perguntava onde sua sorte havia ficado.
Um pretendente encantava serpentes, ela temeu o veneno. Outro derrubava árvores, ela temeu o machado.
Fazia-se escuro o olhar do pai. Do crisântemo quase nada sobrava, e a moça mantinha a mão voltada para baixo, que não se visse a palma quase desguarnecida encostada na saia. Vergonha seria ajudar a mãe a desmontar a tenda com mão limpa.
E naquela manhã, um apresentou-se que não havia estado entre os jovens, nem era companhia dos mais velhos. Havia chegado tarde ao encontro, com seu cavalo, sua carroça e seu sorriso. Já quase em tempo de retomar o caminho da volta. Mas os cabelos eram longos, finos os dedos.
O tempo de que dispunha era pouco, e ainda assim sentou-se no tapete do pai, pois para isso havia vindo. Ela esperava fora da tenda. Por uma fresta viu quando, feito o pedido, ele tirou uma flauta da manga e começou a tocar. As notas escaparam através do tecido da tenda. Os velhos voltaram a cabeça na sua direção, os jovens pararam o que estavam fazendo, as moças sentiram amaciar-se a cintura. Debaixo das pedras, as últimas flores do verão ergueram as corolas.
Como um vento, a música dava asas aos painéis da tenda.
O sorriso percorreu o corpo da moça, pareceu vibrar na palma da mão. Ela olhou. Entrelaçadas com as linhas do destino, uma a uma ressurgiam as pétalas, brotava fresco o crisântemo. Não fechou os dedos. Manteve a mão erguida e aberta, para oferecer a floração quando ele saísse para buscá-la.

Marina Colasanti

Visualizações: 18

Os comentários estão fechados para esta entrada de blog

Fale com os membros

Ola deixe apenas uma mensagem por dia pois por limitações só são guardadas as ultimas 100 mensagens.

Membros da Rede

Menu de Funcionalidades

Membros
Fotos/Videos/Blog
Entretenimento/Ajuda

Novidades

Nota importante: Para ver as mensagens, os amigos e aceder as configurações use o menu da barra de topo.
Pagina Principal Página Principal

 Abrir o perfil

 Ver os recados.

 Abrir caixa de mensagens

 Ver pedidos de amizade recebidos

Lista de Membros Ver lista de Membros

 Configurações

Use o Menu lateral para:
Escrever mensagens aos amigos, adicionar entrada de blog, usar o gerar cartões, enviar presentes e flores.

Adicionados novos car-tões para  o Dia de finados, halloween, Boa noite e qualquer ocasião
nos cards Martinha.
Visitem e compartilhem

© 2021   Criado por Adul Rodri (Adm)   Produzido Por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Registe-se Juntos fazemos a diferença!