Seja bem vindo(a). Agora está ainda mais fácil usar a rede Global Social, use os menus na barra de topo e nas laterais.
Novidades: Novos cartões em Cards Martinha, novas Barrinhas no grupo "O que a alma me fala", novos Poemas no grupo Poesia, novo Grupo Espaço Religião, novos Temas Margarida e Livita, novas Capas no grupo Arte para Perfil, novos Cartões no grupo Scraps, diariamente novos Blogs área de Blog. Obrigado pela Visita. Volte Sempre.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado, bebê e atividades ao ar livre

Hoje muito se fala em guarda compartilhada, em direitos e divisão de tarefas iguais aos pai. O que hoje nos parece "óbvio", por muito tempo foi discutido, dando geralmente, em outros tempos, mais direitos - e também até mais deveres, mas isto é tema para outro artigo - às mães. Felizmente, esta modalidade de guarda, que hoje é a regra no âmbito de família no Brasil se amplia cada vez mais e se torna dia a dia mais comum.
Contudo, as crianças e adolescentes precisam de outro ser fundamental em sua formação e crescimento: os avós. E como ficam os direitos destes? Sim, pois existem muitos casos onde existe uma ruptura familiar onde sogros, noras e genros ou até mesmo os próprios filhos e seus genitores, não têm uma boa relação e tragicamente acaba se refletindo nos menores envolvidos neste contexto familiar. As vezes, divórcios e separações mal resolvidas também acabam trazendo restrições a esta convivência que se sabe, por regra, ser muito saudável.
E como ficam estes direitos? Desde 2011, graças à lei 12.398, que incluiu o parágrafo único no artigo 1589 do Código Civil, o direito à visitação dos avós está regularizada. Tal dispositivo foi ampliado, já em conformidade ao que a nossa Constituição e ECA (estatuto da criança e do Adolescente) afirmam a respeito da convivência familiar, que deve sempre preconizar o melhor para o menor. Desta forma, é importante ressaltar que a regulamentação destas visitas não serão tais como dos pais, até porque existe um contexto diferente. Caberá ao juiz, a partir da análise da situação, determinar como será disposto tal requerimento. Ainda, caso não seja interessante (leia-se saudável, muitas vezes), para a criança ou jovem que exista esta convivência, possivelmente o Magistrado decidirá por não regularizar, mesmo que temporariamente, esta questão. Como foi dito, é uma visitação diferente do que seria para os genitores, são situações especiais e por isso é necessária uma atenção diferenciada.
O que deve se lembrar é que SEMPRE o bem estar do menor deve ser priorizados, buscando sempre a harmonia familiar de forma saudável.

Visualizações: 2

Os comentários estão fechados para esta entrada de blog

Fale com os membros

Ola deixe apenas uma mensagem por dia pois por limitações só são guardadas as ultimas 100 mensagens.

Novidades

Nota importante: Para ver as mensagens, os amigos e aceder as configurações use o menu da barra de topo.
Pagina Principal Página Principal

 Abrir o perfil

 Ver os recados.

 Abrir caixa de mensagens

 Ver pedidos de amizade recebidos

Lista de Membros Ver lista de Membros

 Configurações

Use o Menu lateral para:
Escrever mensagens aos amigos, adicionar entrada de blog, usar o gerar cartões, enviar presentes e flores.

Adicionados novos car-tões para  Páscoa e Semana Santa nos cards Martinha.

Menu de Funcionalidades

Membros
Fotos/Videos/Blog
Entretenimento/Ajuda

Presença no Facebook

Grupo do Global no Facebook

Pagina Curtam, a Pagina no Facebook

© 2020   Criado por Adul Rodri (Adm)   Produzido Por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Registe-se Juntos fazemos a diferença!